ABIQ
Notícias

Notícias > Mercado Nacional de Lácteos

Crise derruba produção no RS e afasta pecuaristas
18/10/2018

A crise econômica do país diminuiu a produção de leite no Rio Grande do Sul. A informação vem do Sindilat, o Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados. Além do empobrecimento das classes C, D e E, o custo alto afastou muitos produtores da atividade. Exportar o leite gaúcho pode ser uma saída.

O produtor rural Ricardo Biesdorf, já produziu 8 mil litros de leite por dia, agora ele teve que baixar para 3 mil litros. Ricardo associa a queda com a variação do preço que no estado vai de R$ 1,10 a R$ 1,70 o litro.

“A gente tem uma variação de preço muito grande durante o ano, entre 55% a 60%, e fazer planejamento com esta diferença de preço é muito complicado. Aí tem meses que você tem que pensar em tirar seu leite para tentar baixar a produção e isto acontece naturalmente via safra ou entressafra do leite e a gente vai fazendo estratégias para tentar superar estes momentos”.

Em 2017, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Rio Grande do Sul produziu 4,55 bilhões de litros de leite, volume de 66 milhões de litros a menos do que no ano de 2016. Mesmo não sendo considerado um número representativo comparado ao total da produção, o setor continua em alerta.

“Como nestes dois últimos anos a crise econômica que atinge o país, e a gente sabe que o produto lácteo é consumido mais efetivamente pelas classes C,D e E classes econômica, isso acaba refletindo. Ou seja, se subiu a passagem de ônibus a pessoa já tem que refazer seu orçamento, então isto contribuiu para que todo mundo fosse rever os custos”, afirmou Darlan Palharini, diretor executivo da Sindilat.

Além da crise econômica, os custos altos que afastaram produtores da atividade também explicam a redução na produção.

“O produtor de leite está ganhando nos centavos, e se você erra onde economizar, você pode acabar com o seu sucesso. Mas o problema é como planejar isto, porque o produtor rural não sabe o momento em que vai aumentar ou diminuir, até um tempo atrás se tinha esta ideia da safra e entre safra mas hoje fugiu da mão do produtor quando vai ter uma remuneração de preço melhor”, completa Ricardo.

Apesar da redução na produção isso não tem enfraquecido o setor que vem crescendo nos últimos anos. Desde as operações “leite compensado” que revelaram adulterações no leite, muito se avançou com a criação de uma lei estadual que garante a segurança durante o transporte e reforça as análises na propriedade e na indústria. Agora o próximo passo é ganhar mercado com a exportação do leite

“Estamos tentando abrir o mercado chinês e está tendo uma viagem agora nos próximos dias chefiada pelo ministro Blairo Maggi para China. Mas isso é o que o estamos conversando com as entidades para que a gente possa ter um planejamento estratégico para saber quais as regiões do mundo, tudo que vamos vai explorar. Porque são ações que às vezes demoram entre 2 até 15 anos pra você entrar neste mercado. mas o mais importante é que o mundo todo tem que enxergar no brasil um país exportador”, finaliza o diretor executivo da Sindilat.

Fonte: e Dairy News, 18/10/2018

Voltar

Veja também:
 
  Commodities Agrícolas
 
  Diversos
 
  Mercado Internacional de Lácteos
 
Mercado Nacional de Lácteos
 
  Pesquisas de Mercado
 
  Varejo Internacional
 
  Varejo Nacional
 

Endereço: Praça Dom José Gaspar n° 30 - 10° Andar - Centro - São Paulo - SP
Tel/Fax: (11) 3259-9213 / 3259-8266 / 3120-6348 - Desenvolvimento: Interpágina